Museu de Arqueologia Sambaqui da Tarioba

Rio das Ostras, RJ
Rua Bento Costa Jr., 70 – Centro,
Telefone: (22) 2764-6350

Horário: De terça a sexta-feira das 10h às 18h Aos sábados das 14h às 18h. Visitação em grupo deve ser agendada.

foto_principal_perfil
foto: Museus do Rio

Última atualização: Seg, 08 de Outubro de 2012 09:58

"Um dos poucos museus de arqueologia “in situ” do Brasil, ou seja, o material exposto permanece da forma em que foi encontrado."

É um dos poucos museus de arqueologia “in situ” do Brasil, ou seja, o material que está exposto permanece da forma como foi encontrado. O Sítio Arqueológico foi mapeado em 1967 por pesquisadores do Instituto de Arqueologia Brasileira que realizavam o Programa Litoral Fluminense, no âmbito do projeto maior denominado Programa Nacional de Pesquisas Arqueológicas (PRONAPA) patrocinado pelo Smithsonian Institution e realizado com autorização e apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN).

Posteriormente, foram realizadas escavações no local e encontradas vinte e uma ossadas da quais quatro estão expostas. Estas ossadas eram de indivíduos de grupos sambaquieiros que ocuparam a região do litoral fluminense há mais de 7.000 anos atrás.

O Sambaqui como Unidade Social

A unidade social representada pelos sambaquis pode ser identificada através da caracterização de um “sítio”, espaço diferenciado que, pelo seu volume, destaca-se na paisagem.

No sambaqui, ocorre a associação espacial de três importantes domínios da vida cotidiana: o espaço da moradia, o local dos mortos e o de acumulação de restos faunísticos relacionados com a dieta de seus construtores.

O sambaqui era um lugar particular, resultado da concentração de material orgânico que certamente tinha implicações no desenrolar do dia-a-dia. Estes “sítios” constituem um lugar peculiar, construído principalmente com conchas de moluscos e apresentando condições especiais no que se refere a textura, relevo e odores.

O Museu Sambaqui da Tarioba apresenta instigante material com vestígios da mais remota ocupação populacional que se tem notícia na região. Trata-se de acervo importante para pesquisas sobre a relação do homem com o território fluminense.

O museu divide o espaço com a Casa de Cultura Bento da Costa Júnior também sediada no local.

Saiba Mais

Espaço Físico: prédio, território e entorno

Instituição: trajetória e natureza jurídica

O objetivo do museu é apresentar a cultura do homem sambaquiano que habitou a região de Rio das Ostras há cerca de 5500 anos enfocando sua distribuição espacial, suas características biológicas e o método de trabalho adotado pelos arqueólogos na pesquisa de campo.

O Museu consiste em exposições permanentes, tais como o Sítio arqueológico com peças catalogadas por época, origem e denominação pelo IAB (Instituto de Arqueologia Brasileira), em reconstituição da pré-história da região, além de maquetes, peças e artefatos expostos em vitrines, mapas e reconstituições.

Na área escavada, são encontrados restos de esqueletos e exposição de objetos de adorno, ostras gigantes, conchas, pedras (batedores e quebra-coquinhos), que caracterizam a ocupação de uma antiga civilização estimada entre 4 mil e 2 mil anos.

Relações entre Memória, História e o Museu de Arqueologia Sambaqui da Tarioba: Diálogos Possíveis
www.encontro2010.rj.anpuh.org/resources/anais/

ArtigoCompletoANPUHRIO2010.pdf
Renata Almeida

Onde Quando
ondequando.com/local
Guia 4 rodas – Viaje aqui
viajeaqui.abril.com.br/guia4rodas/sitio-arqueologico-sambaqui-da-tarioba/rio-das-ostras/atracoes
Rio das Ostras.net
www.riodasostras.net
Prefeitura de Rio das Ostras
http://www.riodasostras.rj.gov.br/culturaehistoria.html

FONSECA Jr, Eduardo. Sambaquis e quilombolas nas terras fluminenses. 1.ed. Rio das Ostras: Gráfica e Policromia Iriry, 2004.

GUEDES, Mariah. Gestão Cultural no Município de Rio das Ostras: Breve análise da atuação da Fundação Rio das Ostras de Cultura. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Federal Fluminense. Rio das Ostras: 2009. Mimeo

LIMA, Maria da Glória d’Almeida. Pérola entre o rio e o mar: História de Rio das Ostras. 3.ed. Rio das Ostras: Poema, 1998.

TRINDADE, Denise Chamum. Arqueologia e Memória: O caso da musealização do Sambaqui da Tarioba. 3.ed. Rio das Ostras: Fundação Rio das Ostras de Cultura: Gráfica Iriri, 2004.

  • icon icon shadow

Mapa e Dicas

Rodovia BR-101; RJ-106; RJ-162
Viação Macaense
Viação 1001
Hotel(éis) Próximo(s): Hotel dos Corais
Cafeteria no Local/Próxima: Paradiso

Realizzazione CMS